Volte para os artigos

O futuro dos telemóveis e o que nos espera com a rede 5G

Os telemóveis tornaram-se uma ferramenta essencial. Sem dúvida, a coisa mais surpreendente sobre estes dispositivos é a velocidade a que evoluíram nos últimos anos. Enquanto antes estavam limitados a fazer e receber chamadas, agora são verdadeiros canivetes suíços. Com eles podemos ver as notícias, ler informações de todos os tipos, fazer compras e até controlar as nossas finanças.

No entanto, neste cenário em que tudo são benefícios, existem também dilemas. É por isso que é importante saber como a conexão irá afectar as pessoas e o seu ambiente. É necessário traçar uma evolução sustentável onde a qualidade de vida das pessoas não seja alterada pelo progresso tecnológico.

Há muitos cenários para o futuro dos telemóveis. Alguns deles já começaram a sua viagem entre nós. Neste artigo dizemos-lhe o que são e como irão afectar o futuro das telecomunicações.

Telemóveis mais pequenos e mais finos?

Uma das primeiras questões que se colocam com a evolução dos telemóceis é se os dispositivos acabarão por entrar num processo de miniaturização. Isto deve-se ao enfoque de todos os fabricantes de telemóveis em tornar os seus dispositivos cada vez mais convenientes e compactos.

Neste cenário há coisas que já estão a acontecer e coisas que são dignas de um filme de ficção científica.

Dispositivos dobráveis

Das coisas que já estão a acontecer, temos dispositivos dobráveis e a luta para criar telemóveis que podem diminuir de tamanho dependendo da situação de utilização. No entanto, o caminho para o conseguir não tem sido fácil.

Aí temos o caso do Galaxy Fold, o telefone dobrável da Samsung. Antes do seu lançamento oficial, vários modelos enviados a representantes de vários meios tecnológicos sofriam de problemas técnicos. De todo o mundo, houve relatos de painéis partidos, dobradiças em mau estado ou problemas com a exibição de conteúdos e imagens. Tudo isto levou a um atraso de vários meses no lançamento do dispositivo.

O resultado final foi um telemóvel que se encontra actualmente à venda e que está agora na sua terceira geração. Ainda assim, com as melhorias necessárias para evitar problemas como os do primeiro lote.

A Samsung, neste caso, começou a pensar em ecrãs OLED dobráveis. Com a tecnologia para reduzir o tamanho dos telemóveis que, com a potência e o processador adequados, nada têm a invejar aos computadores portáteis.

Outros fabricantes desistiram dos ecrãs dobráveis e estão concentrados em oferecer ecrãs maiores em dispositivos mais finos e mais leves. Outras alterações estéticas, tais como reduzidos são acrescentadas para oferecer uma experiência de painel muito mais agradável.

Temos então o dilema de saber se os ecrãs dobráveis descolarão totalmente ou se os fabricantes optarão por oferecer telefones mais finos em troca de ecrãs maiores.

Neste cenário, as propostas mais difíceis de acreditar são aquelas que preveem telefones que podem ser segurados na palma da mão com um punho fechado. Nesse caso, os telemóveis enquanto tais são susceptíveis de desaparecer, substituídos por dispositivos que desempenham as mesmas funções, mas integrados de forma diferente na vida das pessoas.

O que irá acontecer com os implantes tecnológicos e a sua compatibilidade com o corpo humano também continua por saber. Se assim fosse, abririam a porta a cenários fantásticos onde a nossa própria cabeça poderia funcionar como uma antena de recepção da Internet.

Um exemplo disto é Neil Harbisson, o primeiro ser humano a ser reconhecido como um ciborgue por um governo. Depois há Moon Ribas, artista de vanguarda que usa sensores sísmicos nos seus pés.

Realidade virtual e assistentes pessoais integrados

Se os telemóveis fluirem para dispositivos mais pequenos, terá de haver um ecossistema para os apoiar.

É aqui que entra em jogo o cenário da realidade virtual e as infinitas possibilidades que ele oferece. Especialmente se se conseguir uma integração total entre a Internet, jogos, tarefas quotidianas e dispositivos conectados.

Se isto for possível, poderemos transportar dispositivos muito mais pequenos que serão ligados a centros de controlo localizados, por exemplo, na nossa casa ou escritório. Os telemóveis diminuiriam de tamanho para dar lugar a gadgets que interagem com a Internet ou com a Internet das coisas.

Parte disto já pode ser visto, por exemplo, nos smartwatches que lhe permitem ler mensagens e até receber chamadas telefónicas. Podemos também falar de auscultadores sem fios que, através de sistemas de gestos, nos permitem interagir com outros dispositivos.

Tudo isto, para além do aparecimento e evolução de assistentes virtuais que nos permitem gerir tarefas em diferentes dispositivos conectados. É o caso do Siri da Apple, do Bixby da Samsung ou do Assistente Pessoal do Google.

Portanto, se combinarmos a realidade virtual, telemóveis mais pequenos e assistentes virtuais, o resultado é uma melhoria na produtividade global. Isto, sem a necessidade de transportar “tijolos” de tecnologia na mão.

A promessa 5G

A nova rede 5G está gradualmente a chegar ao mundo, mas já estamos a falar do seu futuro. O que faz sentido, considerando que abre a porta a um mundo muito mais rápido e interligado.

Tudo isto terá um impacto directo na forma como utilizamos telemóveis e dispositivos incluídos na Internet das coisas. Um cenário de um ecossistema tecnológico onde praticamente tudo está ligado. Um ideal que também é perseguido pelo sonho da automação doméstica, com casas totalmente automatizadas.

Assim, se a rede 5G continuar a evoluir, a forma como nos ligamos via móvel também irá evoluir. As velocidades de transmissão serão muito mais rápidas e esqueceremos conceitos como a latência ou o tempo de resposta. A informação será literalmente instantânea.

A Era do Fintech?

Se acrescentarmos num único dispositivo móvel um assistente pessoal com inteligência artificial, uma rede com latência zero e uma Internet ainda mais ampla e interligada, o que temos é uma máquina preparada para o Fintech. Esta é a definição de tecnologia financeira que nos permitirá pagar, fazer compras e até mesmo contrair hipotecas instantâneas a partir dos nossos telemóveis.

Num tal cenário, todos os bancos irão despejar as suas bases de dados na Internet. As lojas e supermercados também farão o mesmo, para colocar os seus catálogos inteiros em linha.

Uma situação que não parece estar longe da realidade com a Amazon, eBay e outras grandes marcas. Empresas que já estão a vislumbrar o futuro e que se posicionam cada vez mais e melhor na Internet. Um cenário em que os bancos já estão a dar os seus primeiros passos e têm aplicações para fazer quase tudo a partir dos seus telemóveis.

Todas as transacções serão feitas a partir de telemóveis?

A possibilidade de reduzir custos e servir as pessoas remotamente e sem gastar um cêntimo em escritórios e infra-estruturas é certamente uma opção interessante. E, em teoria, deveria reduzir os custos da maioria dos produtos financeiros, bem como os do consumo em massa.

O dilema aqui prende-se com a segurança. Se tudo estiver interligado e se tudo for feito a partir do telemóvel, será que o meu dinheiro estará realmente seguro algures? Será seguro comprar?

Felizmente, tal como os cibercriminosos estão a aumentar, o mesmo acontece com as medidas de segurança. A polícia e a sociedade estão a ficar cada vez mais fortes na identificação de burlas e na sua divulgação nesta nova era da Internet. Pela mesma razão, o crime não parece ser um obstáculo ao crescimento da Fintech e da tecnologia em geral.

Da mesma forma que alguém não confiou completamente no primeiro telefone da história e viu os seus dias contados. Da mesma forma, o resto das ferramentas e funções que poderemos realizar a partir dos nossos telemóveis evoluirão. O que hoje parece impossível, avançará inexoravelmente. Sem pressa, mas sem pausas.

Foto de Daniel Romero em Unsplash

210 60 83 29

De segunda a sexta-feira das 9h às 19h e no sábado das 10h às 18h.