Volte para os artigos

As tendências tecnológicas que vão marcar 2022

O ano 2021 foi marcado não só pela pandemia da COVID-19, mas também por importantes desenvolvimentos na esfera tecnológica. Desde a introdução de novos dispositivos, à mudança de nome do Facebook e ao novo projecto de Mark Zuckerberg: Metaverse, um mundo virtual que visa expandir a experiência da Internet e das redes sociais.

Agora que 2022 começou, todos os olhos estão postos nas próximas tendências e inovações tecnológicas que irão definir a agenda para este ano. No artigo seguinte dizemos-lhe quais serão as principais tendências.

Guerras de processadores

Há alguns anos, o tema dos processadores era bastante aborrecido. Mas com o boom dos jogadores online, o interesse em computadores mais potentes aumentou. O desejo de componentes superiores também cresceu. Por exemplo, processadores e placas gráficas de alto desempenho.

Tudo isto levou a um ano atarefado em que os fabricantes de chips irão competir duramente pela quota de mercado no mundo da tecnologia. Um cenário em que os protagonistas são a Qualcomm, Intel, AMD, Apple, Samsung, MediaTek, e NVIDIA, entre outros.

O ator-chave aqui é a ARM, uma empresa britânica especializada no desenvolvimento da arquitetura para processadores de alto desempenho e de alta eficiência. Esta empresa atua como principal fornecedor para outras empresas como a Qualcomm, Apple, Samsung e MediaTek, que utilizam as instruções da ARM para fabricar os seus próprios chips.

O grande problema é que a NVIDIA está interessada em comprar a ARM. Isto tem deixado outros fabricantes de chips nervosos e eles vêem este movimento como uma perda de neutralidade. Isto porque o maior desenvolvimento da arquitetura ARM seria assumido pelos americanos, algo que não é muito atrativo, especialmente para os fabricantes chineses.

Por outro lado, existem movimentos como o da Apple, que, utilizando a arquitetura ARM e dispensando a Intel, desenvolveu os seus próprios processadores. Isto perturba o reinado da Intel, deixando-a perante a possibilidade de competir diretamente com a NVIDIA, se a NVIDIA conseguir tomar o controlo da ARM.

Como se isto não fosse suficiente, outras empresas estão a começar a lançar os seus próprios processadores. Como o Exynos da Samsung ou o Tensor integrado nos telefones Pixel da Google.

A que é que tudo isto conduz?

Bem, a uma diversificação da cena de fabrico dos processadores.Deixará de haver um único fornecedor de arquitetura para todos. Cada empresa fará o seu próprio processador a la carte e oferecê-lo-á em dispositivos móveis ou outros conectados. Haverá, ao mesmo tempo, mais concorrência e gama de preços. Uma guerra que, em teoria, acabará por beneficiar os consumidores que terão mais opções de escolha.

Por outro lado, a AMD ganhou muita força com o aparecimento dos seus processadores Ryzen e espera-se uma verdadeira luta de preços com a Intel, o seu concorrente direto. Isso, enquanto a tecnologia ARM começa a ser escalada de dispositivos móveis para computadores portáteis.

O direito de reparar ganha força

Há já algum tempo, a União Europeia tem vindo a trabalhar num plano para reduzir a quantidade de resíduos eletrónicos a nível mundial. Este processo materializou-se numa série de regras que reforçam e facilitam a reparação de dispositivos em todos os países da UE.

Os benefícios destas alterações refletir-se-ão nos tempos de garantia dos produtos eletrónicos e na forma como as empresas oferecem peças sobressalentes.

A partir de Janeiro de 2022 a garantia legal dos produtos será alargada para 3 anos, para além da garantia do fabricante. Além disso, as empresas terão de se comprometer a oferecer peças sobressalentes durante um período de 10 anos. Tudo isto, para encorajar a reparação e quebrar o ciclo de compra e venda imposto pelo modelo económico anterior.

No meio desta notícia, algumas coisas curiosas também aconteceram. Como o lançamento do sistema de reparação em auto-serviço da Apple. Um esquema que ajuda os utilizadores a realizar as suas próprias reparações, incluindo mesmo um kit especial para obter reparações práticas em iPhones e outros produtos Apple. Isto, claro, foi uma surpresa para muitos, considerando a relutância de longa data da Apple em abrir e reparar os seus dispositivos.

Tudo isto deixa claro que o direito de reparação está aqui para ficar e que os fabricantes estão a aperceber-se disso. Por conseguinte, em vez de se oporem e de se fazerem passar por maus consumidores, estão a começar a adaptar-se às novas condições. Algo que continuaremos a ver ao longo de 2022.

A escassez de placas gráficas continua

Que as placas gráficas são difíceis de encontrar já não é novidade. O aumento da emissão de criptomoedas, o encerramento das fábricas com a COVID-19 e o aumento do jogo, criou um cenário complexo.

Há muita procura de gráficos, mas não parece haver um nível de produção adequado para satisfazer as necessidades. Isto leva a um aumento de preços que, em alguns casos, pode ser bastante insano. Cartões gráficos que há 4 anos atrás podiam custar cerca de 150 euros podem agora ser encontrados por mais de 300 euros. E não pensemos sequer em cartões topo de gama que facilmente excedem os 1000 euros.

O cenário para 2022 não é muito encorajador. A NVIDIA já tinha avisado que a escassez poderia mesmo prolongar-se em 2023. Ou seja, até que a produção de fichas e placas gráficas seja gradual e regularmente normalizada.

Por enquanto, a única saída viável para os utilizadores comuns é confiar em PCs e dispositivos pré-montados. Isto, considerando que muitos fabricantes estão a começar a oferecer pacotes tudo-em-um, com placas gráficas e processadores decentes. Dito isto, são acompanhados por outros componentes genéricos.

A verdade é que, nestes tempos de crise, mesmo um computador pré-montado pode ajudar a superar a escassez de gráficos com que ainda temos de conviver.

Alguém disse NFT?

Se algo atraiu a atenção em 2021 e continuará a fazê-lo em 2022, serão NFTs ou fichas não fungíveis. Um bem virtual que é único e que não pode ser trocado por nada.

Este tipo de produto já está a gerar um mercado onde algumas pessoas podem pagar quantias enormes por algumas NFT. Como, por exemplo, o desenho exclusivo de um ilustrador ou uma imagem digital única e exclusiva.

A questão também abre a controvérsia sobre o mundo da especulação financeira na Internet. Para além das NFT, existe também o complexo mundo das criptomoedas.

Seja como for, 2022 continuará a trazer notícias de transações incríveis por milhares de euros por coisas que ninguém teria imaginado que há uns anos atrás pudessem ser compradas e vendidas.

Compras online e pagamentos flexíveis

Uma das áreas que cresceu na sequência da COVID-19 tem sido a dos pagamentos online. O distanciamento social tem impulsionado esta tendência, que continuará a crescer em 2022. Isto será acompanhado por uma maior utilização de dispositivos móveis para todos os tipos de transações.

Tudo isto forçou grandes e pequenas empresas a adaptarem-se ao novo ambiente competitivo. Em que ter um website e um portal com um pagamento intuitivo é fundamental para poder vender e não perder o ritmo do mercado.

Entre as novas tecnologias que parecerão impulsionar os pagamentos em linha estão os sistemas contactless, sistemas biométricos e a inclusão de criptomoedas. Estes últimos, deixando para trás o seu passado especulativo para serem definitivamente integrados nos sistemas financeiros mundiais.

As 22 ideias que terão impacto em 2022 de acordo com a Forbes

A Forbes fez um resumo exaustivo das tendências que irão aparecer em 2022. Isto, num artigo publicado a 3 de Janeiro deste ano. E a maioria deles tem a ver com o avanço da tecnologia.

O resumo destaca o avanço da inteligência artificial, dos sistemas de automação robótica e o salto da criptografia para um nível superior. A importância dos sistemas de armazenamento de energia e da formação em linha, que se está a tornar muito mais democratizada, são também realçadas.

Os desenvolvimentos relacionados com modelos de voz e assistentes virtuais também não são perdidos de vista. Para além do aumento da procura de conteúdos de streaming.

Pode consultar as 22 ideias completas no sítio web da Forbes.

Foto de Alex Knight em Unsplash

210 60 83 29

De segunda a sexta-feira das 9h às 19h