Volte para os artigos

YouTube elimina o contador de dislikes e explica porquê

Os botões “Like” e “Dislike” são comuns nas redes sociais. No entanto, no YouTube, a plataforma de vídeo mais popular do planeta, estes botões tornaram-se um verdadeiro desafio que testa a sua capacidade de ser uma rede social amigável e justa.

Em novembro, a plataforma anunciou que irá eliminar permanentemente o número de “Não gosto’ ou ‘Dislike’ em vídeos. Uma decisão que, embora precipitada e injusta para muitas pessoas, tem raízes muito profundas que revelam um problema subjacente. Algo que não só põe em perigo a liberdade e o bem-estar dos criadores no YouTube, mas também o equilíbrio da Internet.

Neste artigo damos uma vista de olhos à decisão controversa do YouTube e às razões convincentes para a remoção do botão.

Era uma vez o YouTube Rewind

O poder dos botões ‘Like’ e ‘Dislike’ no YouTube é bem conhecido dos utilizadores da Internet. Desde que existem, as pessoas utilizam-nos para expressar a sua aceitação ou não do conteúdo carregado para a plataforma.

Um caso emblemático é o vídeo do YouTube Rewind 2018 que se tornou o vídeo com mais aversões na história da plataforma. Um enorme golpe, considerando que o vídeo tinha sido criado e produzido pelo YouTube. Algo que levou à repetição do Rewind para 2019, mas assumindo que o que tinha acontecido no ano anterior tinha sido um desastre. Finalmente, após a pandemia da COVID-19, a plataforma de vídeo decidiu pôr definitivamente fim a esta tradição.

No entanto, o caso do YouTube Rewind não é o único na história dos vídeos da plataforma com um enorme número de aversões.

Justin Bieber ou artistas como Rebecca Black acumularam milhões de antipatias em alguns dos seus vídeos. Em alguns casos, reflectem a antipatia, mas também o movimento de grupos organizados que tentam trollar conteúdos na plataforma.

O problema dos Dislike Mobs

“Dislike Mobs” é o nome dado aos grupos organizados que fazem “dislike” de forma sincronizada. Em muitos casos, têm uma organização pré-existente em outras redes sociais ou locais de encontro na Internet, tais como fóruns.

A linha para definir se esta tendência é uma via legítima de protesto ou uma forma de pessoas mal intencionadas perseguirem e assediarem outras pessoas é bastante fina.

O que é certo é que o YouTube tomou nota do efeito manipulador dos ‘Dislike Mobs’ e falou sobre isso no vídeo em que relata que irá remover a visão do número de ‘Dislike’ dos vídeos na sua plataforma. Também fala da investigação que o YouTube tem feito nos últimos anos e da descoberta da tendência tóxica.

O problema por detrás das antipatias

O grande problema, de acordo com a plataforma, é que o botão “Não Gosto” não está apenas a ser utilizado como uma demonstração legítima de não gosto pela ideia de um criador ou para identificar se um pedaço de conteúdo ou tutorial é bom. Está também a ser utilizado para alterar as estatísticas de alguns vídeos de forma premeditada, como se fosse um jogo com uma pontuação visível.

O objectivo disto não tem necessariamente a ver com a qualidade do conteúdo. Em muitos casos, tem a ver com o facto de o criador desse conteúdo não gostar ou não gostar de certas pessoas. Portanto, o dilema colocado pela exposição do YouTube faz muito sentido.

Uma coisa é ‘não gostar’ de alguém porque não gosta do seu vídeo, ou porque pensa que é de má qualidade ou porque tem sérios problemas de edição. Outra coisa é “não gostar” completamente porque não se gosta do criador. Pior ainda, se nem sequer vê os seus vídeos, mas não gosta deles só para prejudicar as estatísticas ou os números do seu conteúdo.

A diferença entre a primeira opção e a segunda é bastante grande, porque a segunda introduz conceitos como assédio e ataques injustificados aos criadores de conteúdos.

Claro que o YouTube sabe que nem todas as ‘antipatias’ são causados por “Dislike Mobs”. Há muitos “Dislikes” que parecem completamente legítimos e que não fazem parte de multidões organizadas para perturbar ou perturbar certos canais na plataforma de vídeo.

O conceito de aversão

O dicionário define o conceito de aversão como a rejeição ou repugnância em relação a alguém ou algo. No entanto, especialmente nas redes sociais, os medidores de aversão parecem ter sofrido uma mutação e não se limitam a mostrar de forma transparente a aversão que cada pessoa e utilizador da Internet tem o direito de demonstrar e expor. Estão também a ser utilizados para danificar maciçamente certos sectores e ideologias na Internet.

Aqui a pergunta que todos devemos fazer a nós próprios é: É justo que um criador de conteúdos receba uma investida organizada de antipatias por fazer ou dizer algo, ou é mais justo que as antipatias venham de indivíduos, não organizados? Qual é a diferença entre discordar de alguém e assediar alguém?

Neste caso, o YouTube é bastante claro ao salientar que se trata de um problema grave. Admite, além disso, que foi por isso que realizou uma série de testes para ver o que poderiam fazer com o botão “Não Gosto”.

De facto, desde 2019 que se tem falado do interesse do YouTube em combater ‘Dislike Mobs’, o assédio organizado e os movimentos de take over que estavam a ser vistos na plataforma. Isto pode ser confirmado no artigo pelo famoso órgão de comunicação social The Verge, publicado a 1 de Fevereiro de 2019 e fazendo eco de um vídeo carregado no canal Creator Insider a partir de Janeiro de 2019.

No vídeo, Tom Leung, director de gestão de projectos do YouTube, explica algumas das novas funcionalidades da plataforma e as opções que estão a ser consideradas para evitar a execução de ataques organizados usando o botão “Não Gosto”.

O que dizem os estudos e testes do YouTube sobre o botão Dislike?

O vídeo publicado em Novembro expõe os resultados dos estudos e testes realizados. A conclusão foi que quando a contagem de ‘Não Gosto’ foi escondida em alguns vídeos, o número de ataques coordenados por ‘Dislike Mobs’ diminuiu.

Isto faz muito sentido, tendo em conta que a intenção das multidões de não gostar era tornar visível a antipatia das massas. Da mesma forma, ao esconder a visibilidade da contagem, o alvo do ataque também desapareceu.

Outra coisa que o YouTube descobriu é que ao não tornar os “dislikes” visíveis, não houve um grande impacto no número de visualizações de um vídeo. Isto significa que, embora alguns utilizadores indiquem que este é um parâmetro para confirmar a qualidade do conteúdo de um vídeo antes de o verem, o número não influencia de facto a visualização do conteúdo porque será visto de qualquer forma.

Como a mudança do YouTube afecta os criadores de conteúdos

O botão “não gostar” continuará a existir e todos poderão utilizá-lo, mesmo que não vejam a contagem de pessoas que tenham tomado a mesma acção. Neste caso, os criadores de conteúdos poderão aceder à métrica através do painel de instrumentos em Statistics and Interaction (Estatística e Interacção).

O maior benefício será evitar que os criadores sofram de stress e constrangimento de uma forma pública. Que é o que tem acontecido nos últimos tempos com alguns vídeos sobre a plataforma que se tornaram literalmente o foco de ataques de ódio organizados.

O YouTube deixou claro que a mudança não tem nada a ver com o que aconteceu com o vídeo do YouTube Rewind 2019, embora admita que esse evento foi uma grande experiência de aprendizagem para observar o poder da aversão na plataforma.

O principal objectivo é reduzir os ataques de antipatia coordenados e, acima de tudo, torná-lo um lugar muito mais agradável para os criadores de conteúdos.

Foto de Sara Kurfeß sobre Unsplash

210 60 83 29

De segunda a sexta-feira das 9h às 19h e no sábado das 10h às 18h.